quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Nem todas as farinhas são do mesmo saco



        Não, não sou mentiroso não. Sei que é difícil acreditar, mas as histórias que vou descrever são a pura verdade, aconteceram comigo mesmo como personagem ou testemunha. Está bem, falar de político bem-intencionado e empreiteiras grandes honestas nos tempos de hoje é coisa de maluco ou de assessor puxa-saco, mas juro que são fatos realmente acontecidos.


        No início dos anos noventa o, então prefeito, Paulo D’Andrea junto com o Dr. Pedro Siqueira lançaram um plano audacioso para tratar todo o esgoto produzido em Limeira. Obra muito grande, valores de respeito, orçamento municipal pequeno, mas as grandes construtoras do país já cresceram os olhos para nossa cidade com todos os seus esquemas. Então o Dr. Pedro, esperto, foi testando as pequenas empreiteiras da nossa “terrinha” com obras bem menores no SAAE como reformas, galerias, para conhecê-las e avaliar a capacidade técnica e gerencial para possível aproveitamento.


        Para a construção da estação de tratamento de esgotos, dividiu-a em partes (mesmo assim enormes) fez um edital aberto a todos os concorrentes, tudo como mandava o figurino da legalidade. Com isso várias pequenas empresas de Limeira puderam participar ao lado das poderosas (várias hoje envolvidas na Lava Jato). Pelo seu menor custo, sem a estrutura delas e com o monitoramento do financeiro do SAAE liberando o cronograma das obras de acordo com o fluxo de caixa da autarquia, pelo menos duas construtoras de Limeira tiveram a ousadia de desafiar as grandonas, numa verdadeira batalha entre Davi e Golias. Limeira saiu ganhando.


       Já a partir de 1997 o, então prefeito, Pedro Kuhll não autorizou a concessionária Águas de Limeira, formada pelos grupos Odebrecht e Lyonnayse Des Eaux, a reajustarem a tarifa de água por não concordar com algumas cláusulas do contrato de concessão original que não previa que tais empresas assumissem uma dívida de 25 milhões do SAAE, bem como não destinavam uma porcentagem sobre a arrecadação da tarifa de água para que a autarquia, que tinha ainda a responsabilidade sobre a construção e manutenção das galerias de águas pluviais.
        Vendo que o prefeito estava irredutível na sua pretensão, depois de diversas tentativas do mesmo em se reunir com o sr. Emílio Odebrecht em sua empresa (este mesmo, o próprio, pai do Marcelo, que hoje é hospede do juiz Sérgio Moro em Curitiba) e sim (e somente aqui) no paço municipal, então a Águas de Limeira cedeu e resolveu aceitar as condições impostas. Limeira saiu ganhando.




        Há de haver ainda políticos que lá estão para servir verdadeiramente o povo e devem ter percebido que precisam alterar a legislação para poderem exercer com dignidade os seus mandatos. Legislação esta que os colocam, junto com os demais, no mesmo saco.




Sérgio Lordello


Nenhum comentário: