sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O patinho feio


        Não é da fábula de Hans Cristian Andersen que eu estou falando, mas da pedra no sapato que apavora todo o prefeito: a pasta de trânsito e transportes no seu município. É um assunto que todos os cidadãos pensam que entendem, adoram dar palpites, sempre tem uma solução melhor e qualquer modificação, por menor que seja, gera uma avalanche de reclamações dos cidadãos que deixam aterrorizado quem está no poder. Cabe a ele, então, se resignar com o encargo usando a sua capacidade de convencimento e liderança ou, simplesmente, deixar como está.
        Certa vez colocamos mão única na Rua Cunha Bastos, sentido bairro-centro, antes da Praça Adão Duarte. Mas lá morava (até hoje) o Osvaldo “Turco”, boa gente, amicíssimo do prefeito, de frequentar a casa, o gabinete, pegar carona, então você deve ter percebido a intensidade de reclamações no ouvido do prefeito pelos dois ou três quarteirões aumentados no seu percurso diário de volta para casa. O chefe, intrigado com a situação, muito sábio, convidou-se para uma “quibada” na casa do Osvaldo e, de lambuja, me carregou junto. Lá chegando colocou-nos frente a frente dizendo que só iríamos experimentar as iguarias depois de um acordo. E foi o que aconteceu depois dele entender a importância da alteração para a população.
        Outra ocasião na Av. Maria Buzolin, na época com alto índice de acidentes, com várias mortes seguidas. Propusemos uma grande alteração com o que os comerciantes do local se rebelaram, ainda antes da efetivação, e várias reuniões foram feitas para chegarmos num acordo em que os interesses deles e da engenharia de tráfego foram satisfeitos, sem causar transtornos para a população. Mesmo assim um vereador, inconformado em não poder fazer certa conversão, convocou-me para depor numa Comissão na Câmara Municipal.
        Já a dona Maria, na esquina da João Machado com a Bahia, queria deitar-se na frente do trator que ia mudar o ponto de ônibus da esquina de cima para a dela. Cheguei lá com meu pessoal e encontrei metade dos pacientes da Santa Casa observando, duas viaturas de Policia Militar, todos os seus vizinhos e algumas corolas de um templo próximo. Negociamos por mais de uma hora dentro da casa dela e chegamos a um acordo. Algumas semanas depois passei lá e ela havia montado um carrinho de lanches na sua área e atendia os usuários de ônibus. Uma visão empreendedora com certeza.
        Voltando aos tempos atuais, a visão tacanha do prefeito em tentar extinguir a Secretaria da Mobilidade Urbana custou duas perdas grandes ao seu próprio exército: a fritura desnecessária da secretária anterior e a perda de alguém da sua confiança para só ocupar o espaço até o final do mandato.


Sérgio Lordello
Professor


Nenhum comentário: