quinta-feira, 4 de junho de 2015

A hora do pesadelo II



         Sabe quando você volta de umas pequenas férias, uma fugidinha de alguns dias, um tempo fora da “terrinha”, louco para saber notícias dos fatos acontecidos na sua ausência, então, primeiro, ainda na estrada, liga o rádio, sintoniza uma emissora nativa, procurando notícias alvissareiras sobre o futuro da cidade, ou como estavam às movimentações políticas para as próximas eleições. Depois, quando chegamos a nossa casa e lemos todos os jornais atrasados para estar em dia com os fatos, até mesmo saber quem morreu, interessa.
         Pois é, saiba que levei um baita susto já que numa emissora o apresentador e um grupo de jovens lideranças políticas tentavam desenhar o quadro eleitoral em 2016, faziam suas projeções sobre praticamente todos os nomes que participaram da ultima eleição, não se importando com alguns currículos bastante desabonadores, ou de comprovada incapacidade administrativa, outros com histórico ligado sempre aos ocupantes do poder. Ao novo, ao inusitado, atribuíam crescentes dificuldades de se viabilizar nomes para concorrer em pé de igualdade com os que já estiveram na seara política. Os próprios jornais, por meio de alguns colunistas, faziam-se valer das mesmas premissas.
         A história de Limeira já mostrou que em algumas ocasiões o povo escolheu entre o novo, o inesperado, muitas vezes para sair da mesmice, dos vícios, do marasmo. O Memau, por exemplo, saiu da sala de aula e da banca de advocacia, com um número até baixo de conhecidos para enfrentar uma eleição, e conduziu a cidade com dinamismo, com grandes conquistas. O Pedrinho também veio para ser a alternativa da era Paixão e D’Andrea (que se revezaram em bons e maus governos por trinta anos), enfrentou mudanças na legislação que continham medidas de controle mais apuradas que não permitiam mais algumas “irresponsabilidades” fiscais, atrasos de pagamentos, com um orçamento limitado conseguiu mudanças significativas para a população.
         No ano passado, num artigo publicado aqui no Jornal de Limeira, fiz uma análise da eleição de 2012 em Limeira com este texto: - “na ultima eleição municipal nenhum dos quatro candidatos ao cargo majoritário tinha um perfil de liderança inquestionável e a escolha foi muito mais pela contagem inversa dos defeitos do que pelo somatório crescente dos atributos”. Para quem se lembra, tivemos campanhas com estratégias de baixo nível, com acusações, denuncias, que até a Justiça precisou intervir no processo.
         Parece que, se as lideranças políticas não tomarem atitudes coerentes, teremos um quadro em 2016 pior que o anterior.


Sérgio Lordello

Um comentário:

Luiz Ricardo Bastos disse...

Ou seja, está se desenhando mais do mesmo.