terça-feira, 20 de novembro de 2012

Nunca peça informações num boteco


(americabus.com.br)

         Eu me lembro de que o carro possuía placas de Rio Claro e era uma noite chuvosa de sexta-feira, dentro dele três freiras idosas que abaixaram vidro e perguntaram sobre uma missa na igreja Santa Terezinha ali perto do Barzão, pois já estavam atrasadas. O Jair, aos berros, pediu silêncio para o pessoal querendo entender o que elas diziam, mas estava difícil.
Nisso, mesmo sem saber do que se tratava, apareceu o Zé Gordo, muito prestativo, informando-as que para chegar lá na Santa Terezinha bastava seguir em frente, sempre reto até o fim da rua e sentou-se à mesa. Quando descobriu que era a igreja e não a rua que procuravam, pessoa séria que é, queria pegar o seu carro e ir atrás das mesmas para se desculpar.
Com o Sr. Benedito foi muito pior. Morador antigo do bairro, usuário contumaz do transporte coletivo, era visto sempre na área de sua casa com o radinho ligado, ao lado de sua esposa. Depois da morte dela passou a fazer pequenas viagens, até organizou grupos de amigos para participarem de romarias pelo nosso interior. Com problemas de visão sempre contava com a ajuda das pessoas para chegar aos seus destinos.
Pois é, naquela noite a turma toda reunida na pracinha comemorando o aniversário de alguém. A festa já ia às tantas quando chegou o Sr. Benedito e pediu que o avisassem quando chegasse o ônibus e, se possível, o ajudassem a embarcar. Depois de um tempo, várias rodadas de cerveja e muitos cumprimentos, alguém gritou que o Novo Horizonte acabara de virar na esquina de cima. O Zia imediatamente passou a mão na pequena mala, atravessou a rua correndo para chegar ao ponto, sinalizou para o motorista e foi colocando-a no primeiro banco. O Neguinho conduziu o bom velhinho e apoiando-o pelas costas, empurrou-o para dentro do veículo. O Sr. Benedito, estranhamente, segurava na porta não querendo subir, mas os dois o colocaram sentado no banco junto à mala e o ônibus partiu para o seu destino, levando-o.
Vinte minutos mais tarde desce pela rua um daqueles ônibus enorme, de dois andares, próprios para excursões. Para no ponto da praça e o motorista pergunta para todos que lá estavam:
- Oi, pessoal. Vocês não viram por aqui um senhor de cor, velhinho já, que se chama Benedito? Estamos indo para Aparecida do Norte e ele falou que embarcaria aqui na pracinha do Barzão, é o nosso ultimo passageiro. Alguém o viu?
- Não, não vimos ninguém assim não. Quem sabe ele não se confundiu de lugar! – gritou alguém.

Sérgio Lordello
Professor

Nenhum comentário: